Caça ao jaguar

Claude Lévi-Strauss morreu. Cem é um número redondo.

«De todas as vezes que um indígena morre, não só os seus parentes próximos, mas também toda a sociedade, são lesados. O prejuízo de que a natureza se tornou culpada acarreta, relativamente à sociedade, uma dívida, termo que traduz bastante bem uma noção essencial entre os Bororos, a de “mori”. Quando um indígena morre, a aldeia organiza uma caçada colectiva (…): expedição contra a natureza, que tem como objectivo abater uma grande peça, de preferência um jaguar, cuja pele, unhas e presas, constituirão o “mori” do defunto».

– “Tristes Trópicos”, p. 218.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s