Crítica da crítica

“Perhaps the only difference between me and other people was that I always demanded more from the sunset — more spectacular colors as the sun hit the horizon — that’s perhaps my only sin.”

– Joe, Nymphomaniac.

.

Serão críticas como esta capazes de detectar o mais importante nos filmes, num filme, de Lars Von Trier, ou de quem quer que seja?

Cerca de 60% do texto, ao invés de comentar o filme propriamente dito, dedica-se a tecer piadolas pessoais sobre o percurso de Trier (compará-lo à Miley Cyrus é de uma vulgaridade…) ou a construir segundos sentidos com o nome dos seus actores (o crítico acharia graça a que fizessem trocadilhos com o seu apelido?).

A arte da crítica é mais do que “dizer mal”, “mandar umas bocas foleiras”. Mantê-la nesse nível rasteiro é um mau serviço ao leitor, ao jornal e ao cinema. Mais do que um “Livro de Estilo”, o Público devia era ter um “Livro de Ética”, para evitar cair no degredo sensacionalista das revistas de bate-boca.

Se fizesse crítica de cinema, faria por não desencorajar ninguém a ir ver um filme, nem mesmo no caso de um blockbuster manhoso, porque até para esses há público, como sabemos. E nem é pelo Lars Von Trier, o qual já granjeou um estatuto internacional e um lugar na História do Cinema que lhe permite rir das críticas de qualquer crítico… É pelos trabalhadores ligados ao cinema em Portugal, sobretudo, ao cinema independente. Evitaria contribuir para a contracção de uma indústria já muito maltratada neste país. Contem quantos cinemas fecharam na capital nos últimos anos – os dedos de uma mão não chegam… A própria Cinemateca Portuguesa está de rastos.

Lembro-me de uma fichinha da autoria do senhor Luís Miguel Oliveira, distribuída pela Cinemateca por altura da reposição de um filme de Peter Greenaway, denegrindo a obra cinematográfica desse realizador no seu conjunto, sem nenhuma justificação pertinente, desancando-o a “pau de oliveira” (pronto, vamos começar todos a fazer piadas com os apelidos uns dos outros?).

Parece que todos os realizadores de que o senhor Luís Miguel Oliveira não gosta, estão no meu panteão dos melhores (sim, Trier, Greenaway…) – é azar.

Não vi ainda o filme “Nymphomaniac”, só o trailer banido pelo Youtube (a censura acabou com o 25 de Abril?) e os excertos dos capítulos que a Zentropa disponibilizou nas redes sociais. Só por essa amostra de cenas, já deu para reconhecer “pontos salientes” suficientes para me motivar a vê-lo com a certeza de que será interessante – e nenhum comentário tacanho me demoverá de o fazer.

A suposta “dicotomia puritana sobre a qual von Trier constrói o filme” não é do Trier – é do Luís Miguel Oliveira. O crítico esquece-se de que está a interpretar. Interpreta a imagem de caixotes do lixo como “sordidez”; para outros, os contentores são recipientes de grande utilidade. Interpreta o sexo como “fonte de vida”; porque não fonte de morte? (Bataille, Foucault…). O senhor Luís Miguel Oliveira faria melhor em dedicar-se à pesca, já que uma das poucas coisas que reteve do filme foi a “cultura piscícola”.

Até a actriz principal de “Nymphomaniac” (Charlotte Gainsbourg), que estará mais por dentro da lógica do filme do que qualquer crítico, confessa modestamente que não tem a certeza de o ter compreendido, mas os críticos, esses, estão auto-convencidos de que perceberam tudo e de que podem julgar taxativamente em função disso. É, actualmente, fácil demais encontrar pessoas que percebem tudo (mas que não entendem nada).

Razão tinha o arguto César Monteiro em dizer que:

“Os críticos não percebem os filmes que vão ver. (…) Li uma crítica dum filme (…). Não percebe nada do “plot”. Ploft. Não entendeu. Se não entendeu, porque é que escreve? Eu não entendo, mas eu não escrevo.”

Fala do cinema, mas não se poderia dizer o mesmo dos críticos literários?

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s