The two tendencies destroying formation (‘Bildung’)

[Warning for translators: please try to be careful when you translate Nietzsche, at least, the main concepts of any given text. He is so precise with words that bad translations destroy the understanding of his system. I have checked the original and I have found that everything was badly translated, so I give my own translation for the terms between square brackets. Now, it makes sense! To sum up:

– “Contraction & Concentration” oppose to “Extension”;
– “Intensification & Auto-Sufficiency” oppose to “Lowering & Insufficiency”].

«Two seemingly antagonistic tendencies, equally deleterious in their actions and ultimately combining to produce their results, are at present ruling over our formation institutes, although these were based originally upon very different principles. These forces are: a striving to achieve the greatest possible extension [Erweiterung] of formation on the one hand, and a tendency to lower [Verminderung] and to debilitate [Abschwächung] it, on the other. The first-named would fain spread learning among the greatest possible number of people, the second would compel formation to renounce its highest and most independent claims in order to subordinate itself to the service of the State. In the face of these two antagonistic tendencies [Tendenzen], we could but give ourselves up to despair, did we not see the possibility of promoting the cause of two other contending factors (…); I refer to the present movement towards contraction [Verengerung] and concentration [Koncentration] of formation as the antithesis of the first tendency, and that other movement towards the intensification [Stärkung] and the auto-sufficiency [Selbstgenugsamkeit] of formation as the antithesis of the second tendency.

If we should seek a warrant for our belief in the ultimate victory of the two last-named movements, we could find it in the fact that both of the forces which we hold to be deleterious are so opposed to the eternal purpose of nature as the concentration of formation for the few is in harmony with it, and is true, whereas the first two forces could succeed only in founding a culture false to the root. (…)

It seemed to me that I must recognise two main directions in the forces at work — two seemingly antagonistic tendencies, equally deleterious in their action, and ultimately combining to produce their results: a striving to achieve the greatest possible extension of formation on the one hand, and a tendency to minimise and weaken it on the other. The first-named would, for various reasons, spread learning among the greatest number of people; the second would compel formation to renounce its highest, noblest and sublimest claims in order to subordinate itself to some other department of life — such as the service of the State.

“I believe I have already hinted at the quarter in which the cry for the greatest possible extension of formation is most loudly raised. This extension belongs to the most beloved of the dogmas of modern political economy. As much knowledge and formation as possible; therefore the greatest possible supply and demand — hence as much happiness as possible*: — that is the formula. In this case utility is made the object and goal of formation, — utility in the sense of gain — the greatest possible pecuniary gain. In the quarter now under consideration culture would be defined as that point of vantage which enables one to ‘keep in the van of one’s age,’ from which one can see all the easiest and best roads to wealth, and with which one controls all the means of communication between men and nations. The purpose of formation, according to this scheme, would be to rear the most ‘current’ men possible, — ‘current’ being used here in the sense in which it is applied to the coins of the realm. The greater the number of such men, the happier a nation will be; and this precisely is the purpose of our modern institutes of formation: to help every one, as far as his nature will allow, to become ‘current’; to develop him so that his particular degree of knowledge and science may yield him the greatest possible amount of happiness and pecuniary gain. Every one must be able to form some sort of estimate of himself; he must know how much he may reasonably expect from life. The ‘bond between intelligence and property’ which this point of view postulates has almost the force of a moral principle. In this quarter, all culture is loathed which isolates, which sets goals beyond gold and gain, and which requires time: it is customary to dispose of such eccentric tendencies in formation as systems of ‘Higher Egotism,’ or of ‘Immoral Culture — Epicureanism.’ According to the morality reigning here, the demands are quite different; what is required above all is ‘rapid formation,’ so that a money-earning creature may be produced with all speed; there is even a desire to make this formation so thorough that a creature may be reared that will be able to earn a great deal of money. Men are allowed only the precise amount of culture which is compatible with the interests of gain; but that amount, at least, is expected from them. In short: mankind has a necessary right to happiness on earth — that is why culture is necessary — but on that account alone!” (…)

The most general form of culture is simply barbarism. (…)

“There are yet other reasons, besides this beloved economical dogma, for the extension of formation that is being striven after so valiantly everywhere. In some countries the fear of religious oppression is so general, and the dread of its results so marked, that people in all classes of society long for culture and eagerly absorb those elements of it which are supposed to scatter the religious instincts. Elsewhere the State, in its turn, strives here and there for its own preservation, after the greatest possible extension of formation, because it always feels strong enough to bring the most determined emancipation, resulting from culture, under its yoke, and readily approves of everything which tends to extend culture, provided that it be of service to its officials or soldiers, but in the main to itself, in itscompetition with other nations. In this case, the foundations of a State must be sufficiently broad and firm to constitute a fitting counterpart to the complicated arches of culture which it supports, just as in the first case the traces of some former religious tyranny must still be felt for a people to be driven to such desperate remedies. Thus, wherever I hear the masses raise the cry for an extension of formation, I am wont to ask myself whether it is stimulated by a greedy lust of gain and property, by the memory of a former religious persecution, or by the prudent egotism of the State itself.

“On the other hand, it seemed to me that there was yet another tendency, not so clamorous, perhaps, but quite as forcible, which, hailing from various quarters, was animated by a different desire, — the desire to reduce and debilitate formation.

“In all cultivated circles people are in the habit of whispering to one another words something after this style: that it is a general fact that, owing to the present frantic exploitation of the scholar in the service of his science, his formation becomes every day more accidental and more uncertain. For the study of science has been extended to such interminable lengths that he who, though not exceptionally gifted, yet possesses fair abilities, will need to devote himself exclusively to one branch and ignore all others if he ever wish to achieve anything in his work. Should he then elevate himself above the herd by means of his specialty, he still remains one of them in regard to all else, — that is to say, in regard to all the most important things in life. Thus, a specialist in science gets to resemble nothing so much as a factory workman who spends his whole life in turning one particular screw or handle on a certain instrument or machine, at which occupation he acquires the most consummate skill. In Germany, where we know how to drape such painful facts with the glorious garments of fancy, this narrow specialisation on the part of our learned men is even admired, and their ever greater deviation from the path of true culture is regarded as a moral phenomenon. ‘Fidelity in small things,’ ‘dogged faithfulness,’ become expressions of highest eulogy, and the lack of culture outside the specialty is flaunted abroad as a sign of noble sufficiency.

“For centuries it has been an understood thing that one alluded to scholars alone when one spoke of cultured men; but experience tells us that it would be difficult to find any necessary relation between the two classes today. For at present the exploitation of a man for the purpose of science is accepted everywhere without the slightest scruple. Who still ventures to ask, What may be the value of a science which consumes its minions in this vampire fashion?

The division of labour in science is practically struggling towards the same goal which religions in certain parts of the world are consciously striving after, — that is to say, towards the reduction and even the destruction of learning. That, however, which, in the case of certain religions, is a perfectly justifiable aim, both in regard to their origin and their history, can only amount to self-immolation when transferred to the realm of science. In all matters of a general and serious nature, and above all, in regard to the highest philosophical problems, we have now already reached a point at which the scientific man, as such, is no longer allowed to speak.

On the other hand, that adhesive and tenacious stratum which has now filled up the interstices between the sciences — Journalism — believes it has a mission to fulfil here, and this it does, according to its own particular lights — that is to say, as its name implies, after the fashion of a day-labourer.

It is precisely in journalism that the two tendencies combine and become one. The extension and the reduction of formation here join hands. The newspaper actually steps into the place of culture, and he who, even as a scholar, wishes to voice any claim for formation, must avail himself of this viscous stratum of communication which cements the seams between all forms of life, all classes, all arts, and all sciences, and which is as firm and reliable as newspaper is, as a rule. In the newspaper, the peculiar educational aims of the present culminate, just as the journalist, the servant of the moment, has stepped into the place of the genius, of the leader for all time, of the deliverer from the tyranny of the moment.

Now, tell me, distinguished master, what hopes could I still have in a struggle against the general topsy-turvification of all genuine aims for formation; with what courage can I, a single teacher, step forward, when I know that the moment any seeds of real culture are sown, they will be mercilessly crushed by the roller of this pseudo-culture

Nietzsche, Über die Zukunft unserer Bildungsanstalten” [On the Future of our Formation Institutes]

NOTE:
* An obvious reference to Stuart Mill’s utilitarian maxim.

L’idiot Eudoxe et le pédant Épistémon

«Tout le monde sait, personne ne peut nier, c’est la forme de la représentation et le discours du représentant. Quand la philosophie assure son commencement sur des présupposés implicites ou subjectifs, elle peut donc jouer l’innocence, puisqu’elle n’a rien gardé, sauf il est vrai l’essentiel, c’est-à-dire la forme de ce discours. Alors elle oppose «l’idiot » au pédant , Eudoxe à Épistémon, la bonne volonté à l’entendement trop plein, l’homme particulier doué de sa seule pensée naturelle, à l ‘homme perverti par les généralités de son temps1. La philosophie se met du côté de l’idiot comme d’un homme sans présupposés. Mais en vérité, Eudoxe n’a pas moins de présupposés qu’Ëpistémon, seulement il les a sous une autre forme, implicite ou subjective, « privée » et non « publique », sous la forme d’une pensée naturelle, qui permet à la philosophie de se donner l’air de commencer , et de commencer sans présupposés. (…)

Mais au contraire, il y a quelqu’un, ne fût-ce qu’un, avec la modestie nécessaire, qui n’arrive pas à savoir ce que tout le monde sait , et qui nie modestement ce que tout le monde est censé reconnaître. Quelqu’un qui ne se laisse pas représenter, mais qui ne veut pas davantage représenter quoi que ce soit . Non pas un particulier doué de bonne volonté et de pensée naturelle, mais un singulier plein de mauvaise volonté, qui n’arrive pas à penser, ni dans la nature ni dans le concept. Lui seul est sans présupposés. Lui seul commence effectivement, et répète effectivement. Et pour lui les présupposés subjectifs ne sont pas moins des préjugés que les objectifs, Eudoxe et Épistémon sont un seul et même homme trompeur, dont il faut se méfier.»

– Deleuze, “Différence et Repétition”.

Meu querido mês de Agosto ou de fogo posto?

A Lei de Prevenção contra Incêndios, vulgo “limpeza dos terrenos”, está a ser implementada aos poucos pelas autarquias, cada uma com a sua interpretação mais ou menos radical, sendo que a versão do INCF/AFN é talvez a mais moderada. Este organismo, mantendo-se fiel aos seus princípios, faz muitas ressalvas, mas é óbvio que as autarquias vão mais pela letra da Lei.

Seria importante que os legisladores submetessem as suas leis a um período de teste, antes de as aplicarem em definitivo.

Este diploma é uma peça de “terrorismo” legal, por vários motivos:

  1. A vítima (a biosfera) é considerada cúmplice no crime e, como tal,  punida com pena de morte por guilhotina (cortar, cortar, cortar…);
  2. Recuperou-se um mecanismo de delação medieval (especialmente usado durante a “época das bruxas”): o sistema de denúncia pelo vizinho. Escusado será dizer que basta a menor implicância pessoal e desejo de vingança para dar azo a reclamações com o intuito de “limpar” o terreno ao vizinho, e se a autarquia andar precisada de dinheiro, explorá-la-á, aplicando a correspondente coima.

Esta Lei não previne incêndios, pelo contrário, promove localmente a desflorestação, a pobreza vegetativa com perda de biodiversidade e o aquecimento da atmosfera.

Uma prevenção séria dos incêndios reclama outro tipo de medidas:

  • Plantem-se árvores para prevenir incêndios, ao invés de as cortar. A árvore é um sistema de refrigeração natural, o “ar condicionado” da Natureza. As suas raízes retêm humidade nos solos. A sombra das suas copas cheias de folhas arrefece activamente o ar circundante e o terreno sob si. As folhas caducas que se amontoam no chão, bem como a palha seca produzida pelas plantas rasteiras, dispõem um “mulching” espontâneo que ajuda a reduzir a evaporação de água e a manter viçosas as outras plantas em volta. Poupa-se na água das regas, mantém-se o nível dos aquíferos, minimiza-se a erosão dos solos… Repare-se na inconsistência que é exigir aos pequenos proprietários (os dos jardins de moradia e pequenos terrenos rurais) que evitem as espécies de elevada inflamabilidade (eucaliptos, pinheiros, amoreiras silvestres, canas) e autorizar aos grandes proprietários explorações florestais massivas de uma só espécie altamente inflamável, as famosas “eucaliptizações”. Aos latifúndios de produção florestal, deveria propor-se a intercalação de tais espécies com outras de reduzida inflamabilidade.
  • Prevenir as causas de ignição, em vez de condenarem a existência das espécies combustíveis (biomassa) ao filtro apertado da chamada “gestão da faixa de combustível”. O combustível e o comburente, por si só, não fazem fogo. É preciso uma ignição. Não obstante as duas fontes de dados estatísticos abaixo apresentadas serem inconsistentes entre si, apontam as mesmas causas de ignição – são estas que há que combater. Provavelmente, os deuses castigaram Prometeu, não por ter descoberto o fogo, mas por não o saber usar. As causas de ignição são, numa larga maioria (98%, segundo o ICNF), intencionais ou negligentes, e distribuem-se do seguinte modo, por ordem de frequência:
    1. Incendiarismo (vinganças pessoais, vandalismo, conflitos de caça, piromania, fogo posto para pressionar a venda de lenha);
    2. Queimadas;
    3. Fogueiras e queimas de lixo (particulares, autárquicas ou industriais);
    4. Projecção de chispas por máquinas, armas, tubos de escape, linhas de tensão eléctrica ou frenagem de vias férreas;
    5. Projecção de beatas de cigarro acesas por fumadores;
    6. Chaminés e lareiras (mais incêndios estruturais do que florestais);
    7. Fogos-de-artifício e foguetes;
    8. Fumigações e desinfestações apícolas;
    9. Poluição por objectos de vidro (efeito de “lente ardente”);
    10. Relâmpagos e outras causas naturais (1%).

Incendios-Portugal-II
Incendios-Portugal

  • Contra o incendiarismo, só mesmo a prudente vigilância e intervenção atempadas, a fim de impedir maiores estragos. Infelizmente, entre humanos, haverá sempre falta de civismo e delinquência mórbidas… Os bombeiros (profissionais ou voluntários) podem ter um papel activo na vigilância florestal das matas locais, públicas ou privadas, colocando-se a ênfase das suas funções na prevenção eficaz de incêndios. O trabalho de um bombeiro é extremamente mal pago, mesmo se o valor-hora durante o combate aos incêndios for ligeiramente superior. Dê-se aos bombeiros uma remuneração condigna, independentemente do tipo de serviço que prestar à comunidade. E por que não instituir um Prémio Anual de Prevenção de Incêndios Florestais (excluídos os estruturais, com origem doméstica ou industrial) a distribuir pelas corporações de bombeiros da autarquia que, nesse ano, melhor tenha prevenido esse flagelo (para aferir quais os critérios quantitativos que deveriam orientar uma tal avaliação, sem dar azo a injustiças, consultar-se-iam bombeiros experientes)? Mas seria também importante envolver os proprietários florestais (eventualmente cúmplices dos incêndios para pressionar a venda de lenha), talvez oferecendo-lhes um desconto significativo no IMI anual sempre que a sua propriedade obtivesse a notável marca de zero incêndios florestais? Já que o dinheiro move multidões, use-se o mesmo para premiar comportamentos favoráveis ao bem-estar comum e despromover os contrários. Se os bombeiros estiverem tão sobrecarregados por outras funções de socorrismo que não possam desempenhar tal papel de guardas florestais, então, talvez a GNR local (assim como já vigia as costas, vigiaria as matas nacionais), ou os militares que dispõem normalmente de meios técnicos e aéreos mais adequados para o efeito, como, por exemplo, drones, que já são uma realidade, mesmo a nível comercial (e com aplicações bem mais fúteis). Outro ponto a considerar é o tempo de resposta dos bombeiros a cada solicitação. Certa vez, presenciei uma ocorrência, que se deu à hora de almoço. Os bombeiros da zona foram chamados e demoraram mais de uma hora a chegar ao local. Com clima seco e vento, dá tempo para um incêndio deflagrar e evoluir de fogacho para uma catástrofe de grande dimensão (não foi o caso, mas podia ter sido). Se as solicitações são muitas e não existe capacidade de resposta atempada pelas corporações de bombeiros, então esse serviço deveria ser mais descentralizado, talvez dando formação a piquetes de emergência (cada freguesia poderia ter um) compostos por um bombeiro coordenador e cidadãos comuns, em rotatividade anual (nomeados pela autarquia, conforme a idade, disponibilidade profissional e resistência física), para intervirem de imediato, impedindo o alastrar das chamas, quando a equipa de bombeiros houver sido tomada por outro incêndio noutro local. Isto elevaria a experiência prática da população sobre a prevenção e o combate a incêndios. Para promover a participação no piquete, rotativo para não dar azo a corrupções, as pessoas que o constituíssem poderiam receber uma qualquer benesse nos impostos desse ano ou um valor pecuniário anual (não por ocorrência), como os delegados de mesa durante o período de eleições.
  • Contra as queimadas e desinfestações apícolas, instrução. Os métodos da agricultura e pecuária convencionais estão ultrapassados e perpetuam-se devido à ignorância. Queimar periodicamente matos e herbáceas com o objectivo de limpar caminhos ou para melhorar as qualidades forrageiras das pastagens? Parece-me primário, grosseiro, ininteligente, um tremendo desperdício biológico. Divulguem-se métodos mais evoluídos: uma agricultura e uma apicultura mais sóbrias, menos agressivas e intervencionistas nos processos naturais.
  • Contra as fogueiras, queimas de lixo, uso de chaminés e lareiras, precaução e manutenção frequentes. Quem não o souber fazer, que não o faça. É preciso técnica e capacidade de controlo até mesmo para os triviais assados, numa churrasqueira devidamente delimitada e devidamente apagada após uso. Quanto mais, num piquenique ou acampamento de Verão, arriscar fazer uma fogueira, na contiguidade de um chão coberto de caruma ou de palha… Prefiram um bom restaurante-churrasqueira – menos trabalho e muito menos arriscado. Nas chaminés, há que instalar uma simples rede de malha para a retenção de faúlhas, e limpá-las regularmente.
  • Contra a projecção de chispas, formação prática sobre segurança no trabalho e implementação de dispositivos de segurança. É preciso estar ciente de que a própria actividade de limpeza do terreno com maquinaria ou utensílio de metal pode ter um inesperado efeito inverso. Por exemplo, basta que uma moto-roçadora, por azar, roce numa pedrinha do terreno, gerando faísca, e pode provocar um incêndio, em vez de o prevenir. Limpezas, só de Inverno.
  • Contra as beatas de cigarros lançadas acesas e poluição por objectos de vidro, activismo social. Se os fumadores que lançam beatas acesas forem censurados abertamente pelos seus pares, talvez pensem duas vezes antes de tornarem a cometer esse desleixo inconsciente. O pior é quando vão sozinhos a conduzir e, sem pensar, lançam pela janela o resíduo incandescente da sua toxicodependência. As mesmas câmaras que registam os infractores da velocidade também podem apanhar estes. O paternalismo proteccionista e o excesso de medidas de segurança justificam-se porque existem incivis que não sabem viver em comunidade, caso contrário, seriam supérfluos;
  • Fogos-de-artifício fora do período crítico (Maio a Outubro), mais susceptível a incêndios. Façam-nos no Natal ou no Carnaval, com tempo limpo. Na sua maioria, são repetitivos e sempre iguais, uma convenção que se instituiu nas festas estivais do emigrante e paroladas afins (às centenas por esse país fora, ao ponto de, em certos sítios, se ouvir diariamente um estrepitar de ecos que vai rodando todos os pontos cardeais, conforme a localização da aldeia com festividades). Não compreendo o embasbacamento dos mais simplórios perante um vulgar fogo de artifício. Deve haver modos menos poluentes e perigosos de uma pessoa se divertir. Gostar de ver explosões parece-me já um princípio de empatia para com o terrorismo explosivo. O facto do turismo ser um dos pilares da economia portuguesa não nos deve desmobilizar de oferecer aos turistas experiências mais interessantes e sustentáveis, evitando repetir até à exaustão arcaísmos como este. Espectáculos com repuxos e fontes luminosas, ou mesmo festivais de mangueira e alguidar, adequam-se mais à estação quente, e a água não se desperdiça, porque permanece em ciclo (é verdade que também existe o ciclo do carbono, mas a “carbonização” mata vidas). Em países onde há estatísticas sobre a relação entre fogos-de-artifício e incêndios, não há margem para dúvidas: por exemplo, durante as comemorações do 4 de Julho nos E.U.A., cerca de 50% dos incêndios ocorridos  tiveram origem num fogo-de-artifício, e, destes, cerca de 90% propagaram-se em espaços exteriores, com avultados danos pessoais e materiais. Não é coerente proibirem as queimadas e continuarem a permitir que se incendeiem rastilhos de fogos-de-artifício.

Com silvos de meia-noite

Sempre desconfiei da lista enorme de variedades de hortelã (entre outras ervas comerciais), hortelã disto e daquilo, de chocolate a ananás, passando por toranja e limão. Perguntava-me: mas donde raio vem este repentino “tutti-frutti”? A aparição, com tanta rapidez, de tão grande quantidade de híbridos, não me soava a processo natural. Na Natureza não antropomorfizada, digamos assim, a hibridização demora milénios…

A hortelã-pimenta Mentha x piperita é um híbrido natural da hortelã-comum (Mentha spicata) com a hortelã-de-água (Mentha aquatica). A maioria das outras variedades são híbridos de laboratório.

Qual o problema dos híbridos? Geram sementes estéreis. A sua propagação não é possível através de semente, mas apenas por rizoma (divisão do caule ou da raiz). Produzem-se clones da planta inicial, ao invés de biodiversidade. A ideia de um só indivíduo replicado até à exaustão parece-me de uma grande pobreza genética.

No entanto, encontram-se à venda sementes de hortelã-pimenta. Foram geneticamente intervencionadas ou laboratorialmente tratadas com certos químicos para as induzir à reprodução. Mas o que elas vão reproduzir não é uma hortelã com sabor a chocolate ou a toranja (de criação artificial), mas apenas o aroma da hortelã-comum. A Natureza desfaz as ilusões do Homem.

Há necessidade de todos estes artifícios? Por razões mercantilistas, deve haver.

A clonagem não é de agora. Os transgénicos existem na Natureza e na tradição. Os métodos ditos tradicionais de enxertia, alporquia e estacaria já instituíram a clonagem a uma escala gigantesca. Estes métodos também se fazem naturalmente, mas não com a frequência que os aprendizes de agri-cultor (ou de feiticeiro) os executam. O mesmo se pode dizer das horríveis podas de rolagem, fresagens e roçagens incessantes, eucaliptizações massivas, etc.

A diferença é substituída pela monotonia, a abundância pela quasi-esterilidade.

Curiosamente, a noção grega de “hybris” (que deu origem a “híbrido”) servia para designar aquele cujo amor próprio era demasiado, o que não dista muito de um Narciso, em auto-enlevo, desejando que toda a matéria espelhe uma imagem de si mesmo: clone ao infinito. Mais um, ainda mais um igual a mim…

Por tudo isto, prefiro a selva, as silvas, as plantas silvestres, porque nelas reside ainda uma variabilidade adaptativa que as torna mais resistentes do que as suas contemporâneas domésticas.

Ao contrário do que o Marketing das grandes multinacionais apregoa, não é verdade que os híbridos F1 sejam plantas mais robustas do que as naturais. Eles parecem sê-lo sob condições estáveis muito estudadas, e devidamente assistidas por agrotóxicos (adubos, pesticidas, herbicidas…), vendidos normalmente por essas mesmas empresas. Corte-se com esse caldo químico esterilizante e ver-se-á a selva recuperar terreno.

Pã, também de seu cognome, “Sylvanus”, vencerá. Com silvos de meia-noite.