Trabalhos sem atalho

Ainda este ano vai a meio e estou já tão cansada dele. Para Gregos e Romanos, o número do azar é o 17.

Sinto-me a passar pelos trabalhos de Hércules, com a ligeira diferença de eu não ser Hércules.

Mal diviso o fim de uma encrenca, logo outro intrincado problema me surge para resolver, numa circularidade sem término.

Sem falar das sucessivas decepções e fricções com os génios (os “djinns”) das pessoas. Quão pouca saliva me sobeja para dar lustro ao ego metálico de algumas – totalmente desnecessário, visto que ele incandesce por si só, e não pouco, como que a condizer com a última moda de calçado abrilhantado – efeito inversamente proporcional ao meu menosprezo.

Cada vez mais compreendo a abastança de Diógenes dormindo em seu tonel…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s